Home      |      Mais Rankings      |      Sistema de Pontuação      |      Competições      |      Contato

 

 

 

O atual mundial interclubes 

    Se a chamada Copa Intercontinental tinha o formato praticamente ideal para o início dos anos 60, ao longo do tempo também foi ficando obsoleta. Confederações de outros continentes, entre fracassos e sucessos, também foram ajustando suas competições continentais, e passaram a querer participar da disputa que valia o título de campeão mundial interclubes.

    Como a FIFA não demonstrava muito interesse nas competições que envolvessem quadros de clubes, UEFA e CONMEBOL seguiram realizando a Copa Intercontinental no seu formato original, concentrando a disputa apenas entre europeus e sul-americanos.

    Até que, em 17 de Maio de 2004, a FIFA anunciou um acordo com as confederações continentais para substituir a Copa Européia/Sul-Americana por um novo mundial interclubes, a partir do ano seguinte. A principal mudança no modelo de disputa era justamente a inclusão de clubes campeões de outros continentes - até então, como já explicamos, apenas sul-americanos e europeus poderiam alcançar o topo do mundo.

    Conforme o combinado, a última edição da Copa Européia/Sul-Americana foi disputada normalmente em 2004, e o Porto, de Portugal, sagrou-se campeão mundial. Em 2005, uma nova taça, com o formato do mundo em sua parte superior, foi desenvolvida para o novo modelo do torneio, batizado oficialmente de Campeonato Mundial de Clubes.

    Apesar de levar o mesmo nome do "polêmico torneio" organizado pela própria FIFA, em 2000 - que foi conquistado pelo Corinthians -, a entidade máxima do futebol não tratava a "nova versão" do Campeonato Mundial de Clubes como uma "segunda edição" ou algo do tipo. Pelo contrário. Especialmente por conta do acordo com a UEFA e a CONMEBOL, a FIFA declarava publicamente que o novo formato para a apuração do campeão mundial interclubes tratava-se de uma espécie de "evolução" do que já existia na chamada Copa Intercontinental, e não do seu primeiro torneio, organizado em 2000 - que acabou ignorado e ficando de fora até mesmo da unificação das estatísticas, num primeiro momento.

    Aliás, a competição disputada no Brasil também foi desprezada pela FIFA em seu próprio DVD institucional, o "FIFA Fever", lançado em 2005 - dias antes do início do novo mundial - para comemorar o centenário da entidade (1904-2004). No documentário, a FIFA mostra imagens das 17 Copas do Mundo até então realizadas (1930-2002), de torneios de categorias inferiores e até mesmo de futsal, mas ignora completamente a existência do chamado "Mundial de 2000". E a coisa não parou por aí.

    Na sequência, por ocasião do lançamento oficial do "Mundial de Clubes de 2005", a entidade máxima do futebol listou os clubes campeões mundiais em seu site e, é claro, o Corinthians não figurava na lista - o título conquistado pelo clube em 2000 foi colocado à parte pela FIFA, como sendo de uma competição diferente, não equiparável, e que nunca mais seria disputada.

    Todas essas atitudes da entidade tiveram repercussão imediata - e geraram muita polêmica na época -, especialmente pelo fato de o Corinthians ter sido o vencedor de um torneio organizado pela própria FIFA - e com o mesmo nome da competição vigente. Para minimizar os questionamentos, a entidade máxima do futebol rapidamente tratou de "atualizar" os seus arquivos, passando a incluir o Corinthians na mesma lista dos demais campeões - mas seguiu cometendo "gafes".

    Nos bastidores, no entanto, a FIFA não desistiu de tentar desvincular o seu novo torneio daquele realizado em 2000. Até por conta disso - para se evitar qualquer confusão entre os torneios por causa da nomenclatura -, em 2006 a competição mudou de nome, passando a se chamar oficialmente de Copa do Mundo de Clubes.

    Mas não teve jeito. Após alguns clubes buscarem o reconhecimento da entidade para títulos conquistados em competições anteriores - o que gerou novas polêmicas -, a FIFA "assumiu de vez" o título do Corinthians - às vezes ainda o "esquecia", mas de modo geral passou a reconhecê-lo oficialmente - e mudou seu entendimento sobre o histórico da competição em 15 de Dezembro de 2007 (confira mais detalhes no quadro abaixo).

    Com relação ao formato de disputa da Copa do Mundo de Clubes, outra alteração importante a partir de 2007: o clube campeão nacional do país-sede passou a ter chance de participar da disputa mundial, desde que nenhum outro time desse país anfitrião vença o torneio de seu respectivo continente - caso isso aconteça, o campeão nacional perde a vaga, pois a FIFA não permite a participação de dois clubes do mesmo país na versão atual do torneio (diferentemente do que ocorreu no torneio realizado no Brasil, em 2000).

     Embora não seja comum a final não reunir dois campeões continentais, fato é que desde 2007 existe essa possibilidade. E isso em nada desmerece a competição, pois hoje os critérios são muito claros, e o local da disputa é anunciado com antecedência, de forma que as equipes do país-sede possam se preparar, visando à participação no mais importante campeonato interclubes do mundo.

    Apenas por curiosidade, vale destacar que, como as edições da atual Copa do Mundo de Clubes da FIFA são realizadas em países cujo futebol praticado é considerado "fraco" - tais como Japão, Emirados Árabes Unidos, Marrocos e Qatar -, até 2019, quando foi disputada a 15ª edição do torneio - e a 13ª nesse formato que permite a participação do campeão do país-sede -, em apenas três oportunidades os clubes locais chegaram à final do torneio: o Raja Casablanca (do Marrocos) em 2013, o Kashima Antlers (do Japão) em 2016, e o Al Ain (dos Emirados Árabes) em 2018. Em todas essas ocasiões os "times da casa" foram derrotados por clubes europeus, tornando-se vice-campeões mundiais.

    Outro clube de fora do "eixo Europa/América do Sul" que também chegou ao vice-campeonato mundial - sendo igualmente derrotado na final por um clube europeu - foi o TP Mazembe, campeão africano de 2010.  Já os clubes mexicanos - que insistiam com alguma frequência para participar da Copa Intercontinental - nunca sequer chegaram à final do chamado Mundial de Clubes da FIFA, disputado desde 2005.

Foto: Flavio Florido / UOL

Vencedor do torneio em 2012, o Corinthians é o clube brasileiro campeão mundial mais recente.

A versão da FIFA sobre o histórico da Copa do Mundo de Clubes

    Em 10 de Dezembro de 2004, a FIFA divulgou, em seu site oficial, uma nota dando "adeus" à Copa Intercontinental e "boas-vindas" ao Campeonato Mundial da FIFA. No comunicado (em inglês), a entidade máxima do futebol trata o novo torneio como uma evolução da Copa Intercontinental e ignora completamente a edição de um torneio concorrente, realizado pela própria FIFA, em 2000, no Brasil. "A partir de 2005, a Copa Toyota (oficialmente Copa Européia/Sul-Americana), tradicionalmente um jogo único (desde 1980) entre os campeões da Europa e da América do Sul, vai assumir uma nova dimensão, tornando-se o Campeonato Mundial de Clubes da FIFA, disputado pelos clubes campeões de todos os seis continentes."

    Ainda no mesmo texto, ao comentar sobre a decisão - a última da Copa Intercontinental - entre Once Caldas, da Colômbia, e Porto, de Portugal, a FIFA insinua certo favoritismo aos portugueses, mas lembra que "o clube colombiano superou o campeão mundial Boca Juniors na final da Copa Libertadores" - o clube argentino era o atual campeão da própria Copa Intercontinental. Portanto, enquanto o título do Corinthians em 2000 era ignorado pela própria FIFA em seu site oficial, não havia dúvidas de que o novo mundial interclubes ofereceria ao seu vencedor o mesmo título que a antiga Copa Intercontinental: o de campeão mundial. Leia o comunicado na íntegra (em inglês).

    No entanto, conforme já explicado anteriormente, com a repercussão - especialmente no Brasil - do "esquecimento" do título de 2000 do Corinthians por parte da FIFA, a entidade máxima do futebol rapidamente tratou de "atualizar" seus arquivos - ainda em 2005 - e a incluir o clube paulista na lista dos campeões mundiais - embora eventualmente seguisse a cometer gafes sobre o assunto.

    Já em Março de 2007, após analisar detalhadamente um pedido do Palmeiras, a FIFA reconheceu oficialmente que o Torneio Internacional de Clubes Campeões - ou Copa Rio -, vencido pela equipe paulista, foi a primeira edição do "Campeonato Mundial de Clubes" da história. Com essa decisão, alguns clubes se sentiram no direito de reivindicar o reconhecimento de outros títulos - inclusive de torneios amistosos -, passando a pressionar e a incomodar a FIFA, que até então reconhecia como campeões mundiais os vencedores da Copa Rio de 1951, da Copa Intercontinental - de 1960 a 2004 - e dos torneios organizados por ela própria - em 2000 e a partir de 2005.

    Sendo assim, em 15 de Dezembro de 2007, através de um informe à imprensa (media release), a FIFA se manifestou novamente de maneira oficial - e que parecia definitiva - sobre o assunto: "A respeito da história da Copa do Mundo de Clubes da FIFA com relação às competições intercontinentais de clubes em anos passados, como a Copa Rio dos anos 1950, o Comitê Executivo da FIFA aprovou a ideia de que a primeira edição desta competição foi realizada em 2000 no Brasil, onde o Corinthians se tornou o primeiro campeão mundial de clubes da FIFA. Outros torneios não são considerados eventos oficiais da FIFA."

    A partir deste comunicado, a FIFA passou a se isentar de qualquer responsabilidade ou questionamento referente a competições anteriores, mas não "retirou" suas oficializações - como competições mundiais - perante as respectivas entidades organizadoras - CBD no caso da Copa Rio e UEFA/CONMEBOL no caso da Copa Intercontinental. Questionada sobre o assunto pelo Ranking de Clubes Brasileiros, a FIFA, através de seu Departamento de Mídia, reiterou este posicionamento: "As estatísticas oficiais da FIFA se limitam aos torneios organizados pela mesma. Outras competições de clubes não aparecem nas estatísticas oficiais da FIFA pela simples razão de que não foram organizadas pela mesma. Isso não significa que a FIFA não valoriza estas competições. Simplesmente fornece estatísticas apenas de suas próprias competições."

Copa Rio de 1951 e Copa Intercontinental voltam a ser reconhecidas pela FIFA

    Em Junho de 2014, a FIFA acatou um pedido da CBF para reconhecer, de maneira definitiva, o Torneio Internacional de Clubes Campeões (Copa Rio) de 1951 como a primeira Copa do Mundo de Clubes da história. Clique aqui e saiba mais.

    Já em Outubro de 2017, a entidade máxima do futebol atendeu a um pedido da CONMEBOL, reconhecendo - também de maneira definitiva - os vencedores da Copa Intercontinental (1960 a 2004) como campeões mundiais. Clique aqui e saiba mais.

    Apesar do reconhecimento formal dessas competições pelo seu Comitê Executivo, a FIFA nunca mais unificou quaisquer tipos de dados com as estatísticas dos torneios por ela organizados.

A opinião da FIFA sobre a Copa Rio de 1952

    Em Janeiro de 2017, ao responder a um questionamento do "Estadão", a FIFA reafirmou a decisão de seu Comitê Executivo sobre a conquista do Palmeiras, e também disse reconhecer e valorizar a Copa Rio - inclusive a de 1952 - e a Copa Intercontinental como competições de clubes em nível mundial.

    Esta foi a primeira vez que a FIFA mencionou literalmente que também reconhecia a edição de 1952 da Copa Rio como uma competição de caráter mundial. Confira na íntegra o comunicado da FIFA.

    No entanto, até o momento, a Copa Rio de 1952 é a única competição já mencionada pela FIFA como sendo de nível mundial que ainda não possui um veredicto formal do comitê da entidade.

Competições oficialmente reconhecidas pela FIFA, através de seu Comitê Executivo:

    - Torneio Internacional de Clubes Campeões/Copa Rio (1951);

    - Copa Intercontinental/Européia Sul-Americana (1960 a 2004);

Competições oficialmente organizadas pela FIFA:

    - Campeonato Mundial de Clubes da FIFA (2000);

    - Campeonato Mundial de Clubes / Copa do Mundo de Clubes da FIFA (a partir de 2005);

    Vale destacar que atualmente essas são as únicas competições que possuem as estatísticas oficialmente unificadas pela entidade máxima do futebol. Outras competições - também reconhecidas como de nível mundial - não são consideradas como eventos da FIFA. 

O mundial da FIFA de 2000 | Índice: A História dos Mundiais

 

 

 

 

Home   |   Mais Rankings   |   Sistema de Pontuação   |   Competições   |   Contato

 

Ranking de Clubes Brasileiros - Todos os direitos reservados